23/08/2017

A BREVE CARREIRA E A MORTE TRÁGICA DO SAUDOSO CARLOS ALEXANDRE


Pouquíssimas pessoas diriam que conhecem/ou conheceram o cantor Pedro Soares Bezerra. A coisa muda se falarmos de Carlos Alexandre, intérprete de músicas como Cartão-Postal, Feiticeira e Arma de Vingança.
Pedro Soares Bezerra, ou melhor, Carlos Alexandre nasceu no vilarejo de Santa Fé, no Rio Grande do Norte, em 1957. Lançou seu primeiro disco em 1977, um compacto com as músicas Arma de Vingança e Canção do Paralítico. O sucesso foi estrondoso, com mais de 100 mil cópias vendidas.
A carreira, no entanto, chegou ao auge com o lançamento de Feiticeira. A música fez tanto sucesso que Carlos Alexandre era convidado a cantá-la nos programas de auditório de Bolinha, Chacrinha, Silvio Santos e outros.
De origem humilde, Pedrinho, como era chamado na infância, cultivava uma grande paixão pela terra onde nasceu. Podia se apresentar num dia em São Paulo e no seguinte, estar em Natal, onde vivia com a mulher e os filhos.
Carlos Alexandre morreu num trágico acidente de automóvel entre as cidades de São José do Campestre e Tangará. Na ocasião, tinha saído de um show e seguia para sua casa em Natal.
Ao morrer, deixou 11 álbuns e quatro compactos gravados. Seu repertório contava cerca de 200 músicas. Foram 15 discos de ouro recebidos ao longo da carreira. O detalhe é que até hoje sua esposa recebe pelos direitos autorais de suas composições.
A carreira de Carlos Alexandre foi meteórico. Na época de sua morte, ele tinha apenas 31 anos de idade. Passados quase 30 anos de sua morte, ele ainda deixa muitas saudades.

22/08/2017

AS AVENTURAS DE WHELLIE CONTRA A TURMA DO CHAPA EM CARANGOS E MOTOCAS


Whellie and the Chopper Bunch é um desenho animado dos estúdios de Hanna-Barbera onde os personagens habitam um mundo dominado por carros, motos, caminhões e outros veículos. Foi lançado em 1974 na rede de TV norte-americana NBC.
No Brasil, Whellie and the Chopper Bunch foi batizado como Carangos e Motocas. Conta as aventuras de Wheellie, um carinho vermelho que volta e meia tinha que enfrentar uma gangue formada por motos. Liderada por Chapa, a gangue era uma verdadeira pedra no sapato (ou na roda) de Whellie.
Interessante é que Whellie não falava. Demonstrava seus sentimentos através da buzina ou do painel. Quando estava apaixonado, por exemplo, fazia aparecer um coração pulsando no painel. Era apaixonado por um carrinho mulher conversível chamado Rota.
A Turma do Chapa era formada pelo líder Chapa e Avesso (personagem que sempre confunde as palavras), Risada (a maior, mas menos inteligente moto) e Confuso (uma motoquinha que parecia um velocipede infantil). Sempre que a gangue se dava mal, Confuso repetia o bordão: “Eu te disse, eu te disse, eu te disse”.
Carangos e Motocas foi por um bom tempo exibido no Globo Cor Especial, programa infantil da Globo exibido ao meio-dia durante os anos 1970. Mais recentemente, nos anos 90, foi exibido nas manhãs de sábado da Rede Record.
Trata-se de um dos desenhos mais divertidos dos estúdios Hanna-Barbera, e que deixou muita saudade da turma que acompanhava o Globo Cor Especial.

21/08/2017

UMA CATIVANTE HISTÓRIA ROMÂNTICA NO INESQUECÍVEL O FEITIÇO DE ÁQUILA



O ator holandês Rutger Hauer tornou-se mundialmente famoso graças a sua atuação no excelente Blade Runner, de Ridley Scott, lançado em 1982. Entre os brasileiros, no entanto, ele famoso por mais um motivo: o filme O Feitiço de Áquila.
Dirigido por Richard Donner (A Profecia, Superman, Máquinas Mortífera e Os Goonies), o drama romântico O Feitiço de Áquila conta com Michelle Pfeiffer, Alfred Molina e Mathew Broderick no elenco – além do próprio Rutger Hauer, é claro. Foi lançado com grande sucesso em 1985.
Quem não assistiu O Feitiço de Áquila em VHS teve a oportunidade de acompanhá-lo repetidamente na Sessão da Tarde. Ao lado de Karatê Kid, Curtindo a Vida Adoidado e outros, ele foi um dos filmes mais reprisados nas matinês da Globo.
As cenas externas de O Feitiço de Áquila foram filmadas no interior da Itália, especialmente na Emilia-Romagna, Calábria e Abruzzo.
O Feitiço de Áquila conta a história de jovens apaixonados que não conseguem ficar juntos por causa de uma maldição. Durante o dia, ela se transforma numa águia e durante a noite, ele vira um lobo. A maldição tinha sido lançada pelo bispo de Áquila, que era apaixonado pela jovem. O único aliado do casal é um prisioneiro fugido de Áquila que responde pelo apelido de Rato. E uma das poucas formas de se livrar da maldição é se encontrando durante um eclipse solar.

20/08/2017

TARZAN, O REI DAS SELVAS E SUAS AVENTURAS NAS BANCAS DE JORNAL


Tarzan, o rei das selvas, é um dos personagens de maior sucesso da cultura pop. Transformou-se ao longo do tempo em filme, série de TV, desenho animado, livro, histórias em quadrinhos... Ainda falaremos bastante dele aqui no Modas e Manias.
O fato é que ele nasceu na mente fértil do escritor norte-americano Edgar Rice Burroughs em 1912, quando teve sua primeira história publicada (um detalhe: Burroughs tinha 35 anos na época). O sucesso estrondoso levou o autor a escrever mais de 20 livros com o personagem.
Como possuía os direitos autorais sobre o personagem, Burroughs acabou inevitavelmente enriquecendo.
Tarzan chegou aos quadrinhos em 1929, numa publicação da Metropolitan Newspaper Service (futura United Feature Syndicate), desenhado por Hal Foster. As tiras continuaram sendo publicadas em jornais norte-americanos durante décadas. Vários desenhistas se dedicaram ao personagem durante esse tempo, inclusive algumas “feras” dos quadrinhos, como John Buscema.
Tarzan apareceu pela primeira vez numa publicação em quadrinhos brasileira em 1934, no número 31 do Suplemento Juvenil. Já a primeira revista totalmente dedicada ao personagem surgiu em 1951, com uma foto do ator Lex Barker como o herói das selvas. A revista seria a mais duradoura da antiga EBAL, sendo publicado por décadas. Além da publicação periódica, a edição publicou diversas edições especiais. Interessante é que elas costumavam vir com fotos dos atores que interpretaram Tarzan nos cinemas.
A revista de Tarzan saiu do mercado, assim como a EBAL. Mesmo assim, histórias com o personagem continuaram sendo publicadas por diversas editoras. Uma dessas últimas publicações foi Tarzan: Conto das Selvas, da Pixel Media, lançada em 2015.

19/08/2017

VOANDO NAS ASAS DA MINHA, DA SUA, DA NOSSA TRANSBRASIL


Quem não lembra da cauda colorida – e que mais lembrava um arco-íris, convém ressaltar – da Transbrasil?
A Transbrasil foi uma companhia aérea que figurou entre as maiores do Brasil durante décadas. Suas principais concorrentes foram Vasp e Varig (havia também a Cruzeiro, que acabou sendo incorporada pela Varig).
Ela foi fundada em 1955 por Omar Fontana, filho de Attílio Fontana, fundador da empresa de alimentos Sadia. A ideia inicial era transportar carne de Santa Catarina para São Paulo por via aérea, mas um ano depois a Sadia Transportes Aéreos (isso mesmo, foi com esse nome que ela começou) já levava passageiros para as cidades de Florianópolis, Joaçaba e São Paulo.
No início da década de 1961, a Sadia Transportes Aéreos adquiriu a empresa Transportes Aéreos Salvador e começou a voar para o Nordeste. Daí para a frente, a empresa não parou de crescer. Em 1973, mudou sua razão social para Transbrasil S. A. Linhas Aéreas e adotou o visual colorido que se tornaria sua principal lembrança. O detalhe é que no afã de servir um cardápio genuinamente brasileiro, passou também a servir pratos como feijoadas nos serviços de bordo.
Os anos 70 mal haviam terminado e a Transbrasil já era a terceira maior empresa aérea brasileira. Com a chegada da década seguinte, chegou a hora de internacionalizar os voos da empresa. Ela passou a oferecer voos para Miami na Flórida, mas... As sucessivas crises econômicas, bem como os incontáveis planos do governo para combater a inflação impactaram nos negócios da empresa.
Nem os problemas econômicos e judiciais (a empresa chegou a sofrer intervenção federal) impediram seus controladores de tentar a expansão internacional. A Transbrasil passou a fazer rotas para Nova York, Buenos Aires, Londres e outras cidades. As finanças da empresa, no entanto, continuaram no vermelho. E o que aconteceu foi que ela começou a encolher. Rotas foram cancelados, salários começaram a atrasar... As coisas chegaram a um ponto em que a Transbrasil sequer tinha caixa para pagar o combustível dos aviões.
A falência da Transbrasil foi decretada em 2002.

18/08/2017

NEVERMIND - O ÁLBUM QUE LEVOU O NIRVANA AO OLIMPO DO ROCK



O Nirvana foi uma banda de rock surgida nos Estados Unidos no início dos anos 1990. Foi um das precursoras do movimento grunge, um subgênero musical com influências da música punk, do heavy metal e do indie rock. O grunge foi um dos principais modismos musicais daqueles anos. Além do Nirvana, as principais bandas do estilo foram Soundgarden, Alice in Chains e Pearl Jam, entre outras.
O Nirvana era formado por Kurt Cobain, Krist Novoselic e Dav Grohl. Teve uma carreira meteórica, interrompida pela morte subida do vocalista Kurt Cobain.
Ao longo de sua carreira, o Nirvana lançou apenas três álbuns de estúdio: Bleach, Nevermind e In Utero. Outros três álbuns ao vivo foram lançados depois da morte de Kurt Cobain.
O álbum de maior sucesso da banda foi Nevermind, lançado em 24 de setembro de 1991. A principal responsável pela grande popularidade da banda foi a faixa Smell Like Teen Spirit. O clipe com a banda tocando no que seria um ginásio de um colégio estourou na MTV.
Smell Like Teen Spirit se tornou faixa de abertura do primeiro single de Nevermind. Alcançou os primeiros lugares das paradas de diversos países. Foi também uma das faixas mais elogiadas pela crítica. Mas ela está longe de ser a única música realmente boa de Nevermind.
O álbum originou outros singles de sucesso: Come as You Are, Lithium e In Bloom. Com letra e composição de Kurt Cobain, Come as You Are não chegou a fazer tanto sucesso quanto Smell Like..., mas foi com frequência citadas nas listas de músicas mais ouvidas de 1992.
Também chamou bastante a atenção da crítica/pública a capa do álbum, com um bebê nadando atrás de uma nota de dólar. Ela continua sendo lembrada como a capa-símbolo, vamos assim dizer, do Nirvana. Tanto que volta e meia aparece em camisetas da banda.